Meu roteiro por Londres: confira as dicas de gastronomia, cultura e agito na cidade

Como diz o ditado, “quem cansou de Londres cansou da vida”. A cidade borbulha em cada canto. E tem a capacidade quase única no mundo de se moldar ao estilo do visitante. É cultural, moderna, tradicional, louca, gastronômica, punk, roqueira, enfim, tem para todos e as opções nunca acabam. Falta é tempo. 

Passei 12 dias na cidade no início de junho. Ex-moradora, pulo os highlights mais óbvios e viajo em busca das novidades e da cena cultural. 

Surfando ainda na euforia do casamento de Megan e Harry, mais ensolarada e quente e menos chuvosa  do que o normal para uma primavera,  Londres já vivia os dias longos e a expectativa do sempre festejado verão, na minha opinião melhor época para se estar lá.

Aqui, compartilho as dicas do que fiz e gostei por lá:

Gastronomia 

Trendsetter desde sempre, Londres em termos de vida saudável pode ter perdido o bonde para a Califórnia ou mesmo NY, mas agora corre atrás do tempo e mostra acompanhar  a mudança de comportamento mundial por um estilo de vida mais saudável e sustentável. O Fish n’ Chips segue lá, mas há leite de amêndoa, tofu, kombucha e shoots de gengibre por todos os lados, além de sete endereços da rede Whole Foods e dos onipresentes menus orgânicos, sazonais e que valorizam os produtos locais.

Farmacy: Camilla Al-Fayed, filha do bilionário egípcio Mohammed Al-Fayed, é dona deste que é um restaurantes mais trendy de Londres. Integrante do movimento eat clean, o Farmacy, em Notting Hill ,  serve café da manhã, almoço e jantar tudo planted-based e orgânico com boa parte do cardápio vegan e glúten free. Também não entram lactose ou açúcar branco, mas tudo por lá é cheio de sabor.  Para o jantar (é preciso reserva), escolhi o Kitchari Dahl (£ 16), com mungbeans (uma espécie de feijão verde) e vegetais cozinhos em caldo de coco e cúrcuma servido com “iogurte” de coco e quinoa.  Para sobremesa, o raw chocolate tart (£10), adoçado com tâmaras.

Os drinques também são super diferentes: experimentei o There is Something about Mary (£12), feito com pó de CBD  (feito a base de cannabidiol mas sem THC e que teria propriedades analgésicas, anti-inflamatórias e ansiolíticas), vodca com infusão de baunilha, chili suave, purê de manga e suco de limão.  Vale uma ida!
Mais infos aqui. 

Farmacy, divulgação
Farmacy, divulgação

 

Farmacy, divulgação

Spring: na belíssima Somerset House, o Spring é tocado pela chef Skye Gyngell, que já tem uma estrela Michelin no currículo. Sazonal, orgânico e sustentável (o menu pré-teatro, algo bem comum em Londres, servido entre 17h30 e 18h30, utiliza ingredientes que seriam desperdiçados). Fomos no almoço (reserva necessária) e pedimos o menu de duas etapas (£ 27.50, você pode optar entre entrada e principal ou principal e sobremesa). Maravilhoso! Vale investir quando quiser aquele almoço mais especial.
Mais infos aqui.

Spring, divulgação
Spring, divulgação

Tibits: com dois endereços na cidade (um perto da Regent’s Street e outro próximo à Tate Modern) , o Tibits salva quando a idéia é aquele almoço rápido e saudável. A comida é fresca e o bufê a quilo é cheio de opções de saladas incríveis. Toda terça, no almoço e jantar, o bufê é vegano. Bom custo-benefício.
Mais infos aqui. 

Tibits, divulgação

Chá do Lanesborough: tradição é tradição, e a do chá inglês é quase incontornável. Os melhores chás estão nos hotéis de Londres e o servido no Lanesborough, um dos hotéis mais luxuosos do mundo,  é especialíssimo.  Temático, atualmente ele homenageia Frida Kahlo (artista-tema de uma grande exposição no Victoria & Albert, leia mais abaixo). Criado pelo pastry chef Gabriel Le Quang com estrela Michelin e servido no elegante salão Céleste, o chá da tarde custa £39 por pessoa ( £49 com uma taça de champanhe ou uma margarita por pessoa).

Destaque para os doces criados tendo a artista e o México como inspiração, numa mistura latina e inglesa pouco provável mas que deu samba. E um minuto de silêncio para os scones, aquele bolinho inglês super tradicional servido com nata e geleia de morango (dizem que os do Lanesborough são os melhores da cidade). Serviço impecável. Quem tiver disposição, pode tentar emendar um drinque no bar do hotel: um sonho chamado Library Bar.
Mais infos aqui. 

Lanesborough, divulgação
Lanesborough, divulgação
Lanesborough, divulgação

Campania and Jones: quando for a Columbia Road (leia mais abaixo), combine um café, almoço ou aperitivo neste charmoso e rústico restaurante napolitano. Comida fresca, massa feita por ali, molhos cheios de sabor e tempero, pão maravilhoso, vinho em taça e aquele delicioso clima italiano de bagunça e alegria.
Mais infos aqui. 

Campania Gastronomia, divulgação

By Chloe:  mais um exemplo de como Londres se transforma, a rede americana de comida vegana abriu recentemente em Covent Garden e Tower Bridge. Tem proposta de comida rápida então o foco são saladas, hambúrgueres, sanduíches e bowls no estilo planted based. Fui para um café e experimentei o matchá e o cupcake, mas deu vontade de voltar para provar o menu de brunch. Também pode ser uma saída saudável para um almoço um lanche rápido na região Central.
Mais infos aqui. 

Hambúrguer vegano. By Chloe, divulgação
Reinterpretação do clássico Fish n’ Chips feita com tofu. By Chloe, divulgação

Dominique Ansel Bakery: a Ana, nossa colunista, já tinha avisado aqui que o local é must go pra quem é fã de doces. Fui conferir e não me arrependi. Só não perca tempo (como eu) pedindo pratos salgados do cardápio (são caros e não são melhores do que em outros lugares), foque nos doces mesmo. Difícil decidir, então deixei a funcionária ajudar concordando em experimentar a novidade do menu, o Zahra Rose (£ 7,80, mais detalhes abaixo.)  Francês, Ansel fez fama em NY e agora bomba também em Londres, onde mantém a loja em Belgravia (perto de Victoria Station).
Mais infos aqui. 

Dominique Ansel, divulgação
Coconut Hazelnut Religieuse: profiteroles  com creme de avelã e ganache de coco.
Meu eleito: mousse de chocolate recheado com couli de rosas e framboesa envolto numa massa bem fina moldada em formato de flor. Tudo isso em uma base crocante de pistache. Dominique Ansel, divulgação

Bares 

Sketch: super badalado, o casarão do século 18 no requintado bairro de  Mayfair acomoda galeria de arte e cinco ambientes com decorações  bem distintas, mas todas de cair o queixo. Idealizado pelo francês Mourad Mazouz e o chef Pierre Gagnaire, o Sketch é pura sofisticação com um toque artsy e um deleite para os olhos. Além do 3 estrelas Michelin e exclusivismo restaurante The Lecture Room & Library, há o restaurante The Gallery, moderno e no estilo gastro-brasserie que também serve chá da tarde, o bar The Glade, que simula uma floresta e serve café da manhã, brunch, e drinques,  o Le Parlour, lounge, cafeteria e patisserie, e o East Bar, um bar e lounge ultra moderno e intimista criado por Mourad em parceria com o aclamado designer Noé Duchaufour-Lawrance.

Sem mencionar o banheiro com cabines ovais que parecem cápsulas futuristas. Claro, prepare a carteira, mas pelo menos um drinque é mandatório. Dress code: art smart (é o que diz no site deles!).
Mais infos aqui. 

Restaurante The Gallery, foto Ed Reeve
Restaurante The Gallery, foto Ed Reeve
The Glade. Sketch, divulgação
The Glade. Foto Sketch, divulgação
Parlour. Foto Sketch, divulgação

Hutong/Shangai Bar:  Hutong, o restaurante chinês do topo do The Shard, o edifício mais alto da União Europeia, tem também um bar de drinques, o Shangai. Vale um drinque por lá no final de tarde contemplando a cidade mais maravilhosa do mundo (!) de cima.
Mais infos aqui. 

Hutong, divulgação
Hutong, divulgação
Hutong, divulgação

Ronnie Scott’s: para quem curte jazz, a visita ao icônico Ronnie Scott’s, no Soho,  é obrigatória. Desde 1959 já passaram  por lá Miles Davis, Chet Baker e Nina Simone e o ponto continua sendo o que reúne a melhor música do estilo na cidade. Embaixada do british jazz e também de muitos músicos americanos, além da música maravilhosa, é cheio de estilo e tem ótimos drinques. Reserva imprescindível.
Mais info aqui.

Ronnie Scotts, divulgação

Exposições 

Toda vez que vou a Londres prometo investir no circuito das novas galerias, mas não adianta, dois hubs culturais quase sempre monopolizam minha atenção na cidade: o Victoria & Albert Museum, com acervo incrível e ótimas exposições temporárias, e a Tate Modern.

Future starts here: sponsored by Volkswagen e seu carro autodirígel, a exposição investiga uma  questão que sempre nos rondou: o que será o amanhã? Em tempo de muitos perigos, mas também de infinitas possibilidades, a exposição reúne mais de 100 objetos que oferecem um cenário do que pode vir por ai. Entre os exemplo futurísticos, um barco autônomo que limpa os oceanos, Masdar City, a cidade livre de carbono projetada nos Emirados Árabes, uma ponte construída pelo moradores de Rotterdam, sintoma  de um movimento que questiona a longevidade da democracia diante do protagonismo do cidadão.
Victoria & Albert Museum até 4 de novembro. Mais infos aqui. 

V&A, divulgação
V&A, divulgação

Fashioned for Nature: explora a relação entre moda e natureza, desde a influência dos temas da fauna e flora nas roupas desde 1600,  chama a atenção para o impacto que moda causa na natureza e mostra  boas soluções. Caso da bolsa de couro de pirarucu feita pela brasileira Osklen, os pigmentos naturais usados por Stella McCartney e o vestido Calvin Klein que Emma Watson usou no Met Gala de 2016 feito de plástico reciclável.
Em cartaz no V&A até 19 de janeiro de 2019. Mais infos aqui. 

V&A, divulgação
V&A, divulgação

Frida Kahlo: Making Her Self Up abriu neste sábado, 16 de junho, então não consegui conferir, mas é a grande exposição em cartaz na cidade atuamente e  fica no Victoria & Albert até 4 de novembro. Exibe uma coleção de objetos pessoais e roupas que pertenceram à artista mexicana que é ícone mundial. Escondida por 50 anos depois da sua morte, a coleção nunca havia saído do México.
Mais infos aqui. 

V&A, divulgação

Splendours of the Subcontinent: Four Centuries of South Asian Paintings and Manuscripts e A Prince’s Tour of India 1875–6: duas exposições  de encher os olhos celebram a relação entre Inglaterra e Índia com acervo de joias, armas e manuscritos indianos doados e comprados pela coroa britânica. Em cartaz na Queen`s Gallery, próxima ao Palácio de Buckingham, até 18 de outubro.
Mais infos aqui.

Splendour

E mais…

Columbia Road Flower Market: em Hackney, região que, como o restante do East London, tem passado por um processo recente de gentrificação, a feira de flores aos domingos é o epicentro da programação, que acabou desenvolvendo os arredores com cafeterias, lojinhas de artesanato, arte e restaurantes.  Programa super delicioso para domingo de manhã (pode emendar com almoço no italiano Campania Gastronomia, veja mais acima).
Mais infos aqui. 

Kingly Court:  na icônica Carnaby Street, o espaço reúne um mix interessante de lojas independentes, bares e restaurantes. Há uma espécie de jardim interno com mesas compartilhadas que lotam aos finais de semana. Entre as opções, o saudável Detox Kitchen, bares de drinques , pizza, grego, sushi e ceviche.
Mais infos aqui. 

Kingly Court, divulgação

Yoga no Sky Garden: para a turma do yoga,  super vale acordar cedinho pra fazer a Sunrise Yoga no Sky Garden, no 35º andar do prédio 20 Fenchurch Street, skycrapper londrino apelidado de Walkie-Talkie. Do alto, dá pra ver outros prédios icônicos da cidade, como o Gherkin e o The Shard, além do Tâmisa e da Tower Bridge. Precisa reservar e a aula (para iniciantes) custa 10 libras. Quem não for do time do yoga, também pode conhecer o espaço: entre os andares 35 e 37 do prédio comercial tem dois bares e dois restaurantes abertos ao público (é preciso reserva). Durante o verão, também rolam apresentações musicais no Sky Pod Bar.
Mais infos aqui. 

Sky Garden, divulgação

Comments

comments

Laura Coutinho

Escrito por Laura Coutinho

Laura Coutinho é jornalista com mestrado em Relações Internacionais. Já morou em Porto Alegre, Londres e Lisboa e é apaixonada por viagens, gastronomia, cultura e inovação. Trabalhou mais de 15 anos no Grupo RBS como repórter, editora, colunista e assinou coluna social durante um ano no Jornal Notícias do Dia. Hoje, concilia a produção de conteúdo em site próprio com o trabalho de relações públicas.

Facebook | Instagram

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *