Arquitetas catarinenses indicam três endereços para mergulhar na arte popular pernambucana

 * Texto de Lu Moraes e Jana Hoffmann

Os encantos de Recife vão muito além da praia de Boa Viagem. Além da orla que desenha a cidade, a cultura pulsa nos vários museus, centros culturais e instituições artísticas. E são muitos. A arte popular também é prato cheio, além da gastronomia típica, que merece degustação. Em passagem pelo destino a convite do Núcleo Catarinense de Decoração, as arquitetas Ana Paula Ronchi, Juliana Pippi e Suâmi Pedrollo apontam trajetórias imperdíveis de quem fez e faz história em território pernambucano.

Lu Moraes, divulgação

Entre as personalidades que habitam Recife, o arquiteto Carlos Augusto Lira, um dos maiores colecionadores de arte popular da América Latina – são 7 mil peças no seu acervo pessoal – é memória viva da cidade. Desde menino sempre se interessou pela boniteza das coisas e passou a colecioná-las ao longo da vida. E para ele não importa se a arte foi elaborada da forma mais primitiva, simples ou sofisticada. O importante é que toque o coração. É numa casa tombada pelo patrimônio histórico, que ele recebe amigos e visitantes interessados em conhecer suas peças de estima.

“Depois de encher sua casa com arte, ele não tinha mais onde acomodar suas obras, o espaço ficou pequeno. Hoje ele tem um local chamado reserva técnica onde as esculturas ficam expostas. Para Carlos, todas têm vida, humor, alegria, tristeza, são belas e combinam entre si. Representações de Anita Malfatti, Cícero Dias, Ariano Suassuna e outros objetos de grande valor. Ele fez sua coleção apenas pela emoção e prazer de admirar a beleza”, conta a arquiteta Suâmi Pedrollo.

Ana Paula Ronchi, Juliana Pippi e Suâmi Pedrollo com o arquiteto e colecionador Carlos Augusto Lira. Divulgação

A Oficina Cerâmica de Francisco Brennand é um especial presente que a cidade guarda. Conhecido como o mestre dos sonhos, em 1971, o artista iniciou a reconstrução da velha Cerâmica São João da Várzea, no bairro histórico da Várzea, fundada pelo seu pai em 1917. As ruínas deram espaço a um projeto ousado de escultura de cerâmicas, expostas tanto no espaço interno quanto externo.

“O lugar é de uma magia única que une a arquitetura monumental às obras do artista de cunho abissal, obscuro, sexual e religioso. Com um pouco de sorte é possível encontrá-lo circulando pelo espaço, disposto a um bom papo carregado de paixão por tudo que construiu e o envolve”, recomenda Juliana Pippi.

Oficina Cerâmica Francisco Brennand. Lu Moraes, divulgação
Oficina Cerâmica Francisco Brennand. Lu Moraes, divulgação
Oficina Cerâmica Francisco Brennand. Lu Moraes, divulgação
Oficina Cerâmica Francisco Brennand. Lu Moraes, divulgação

Entre os artesãos brasileiros mais respeitados, está  Manuel Galdino de Freitas, o mestre Galdino. No decorrer de sua vida ele trabalhou como oleiro, mas a notoriedade veio como ceramista, apesar de também possuir habilidade com a viola e poesia de cordel. Em passagem por Alto Moura fez vários amigos que o apresentaram a arte de “bonecos”. A identificação com a técnica foi tanta que por lá ele fincou base, até o último dia de vida, em 1996. “Por carregar a peculiaridade interpretativa que une história, vida e sensibilidade, ele tornou-se um telespectador único e privilegiado, que enxerga e representa a verdadeira essência brasileira”, comenta a arquiteta Ana Paula Ronchi.

Um acervo exclusivo do artista está em exposição no Museu do Barro de Caruaru e o Memorial Mestre Galdino, em Caruaru (PE).

Cerâmica do Mestre Galdino. Ana Paula Ronchi, divulgação

Visitações:

Reserva Técnica:  as visitas são agendadas no (81) 3268-1360. 

Oficina de Cerâmica de Francisco Brennand:  Propriedade Santos Cosme e Damião – Rua Diogo de Vasconcellos, S/N – Várzea, Recife. Aberta ao público de segunda a quinta, das 8h às 17h, sexta:, das 8h às 16h. Sábado e domingo, das 10h às 16h. Mais infos pelo: (081) 3271-2466/3272-5494.

Museus de Caruaru:  Espaço Cultural Tancredo Neves/Praça Coronel José de Vasconcelos, 100, Centro. Aberto ao público de terça a sábado, das 8h às 17h e aos domingos das 9h às 13h. Mais infos pelo ( 81) 3721 2545 e http://museusdecaruaru.blogspot.com.br

 

Comments

comments

Laura Coutinho

Escrito por Laura Coutinho

Laura Coutinho é jornalista com mestrado em Relações Internacionais. Já morou em Porto Alegre, Londres e Lisboa e é apaixonada por viagens, gastronomia, cultura e inovação. Trabalhou mais de 15 anos no Grupo RBS como repórter, editora e colunista. Hoje, concilia o site próprio com uma coluna semanal no jornal Notícias do Dia, em Santa Catarina, e o trabalho de relações públicas.

Facebook | Instagram

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *